quinta-feira, 4 de novembro de 2010

tenho andado por aí a curtir as folhas


Tenho andado engalfinhada
Há uns dias atrás senti-me mal, mas muito mal, diria que tinha apanhado uma grande besaina, mas não apanhei e fiquei muito doente, do corpo, da cabeça da alma e não sei de que mais. Fui ao hospital eram oito horas da manhã domingo, não havia ninguém na rua, atravessei o campo da feira, não haviam arrumadores, não haviam carros, apenas árvores, mas que árvores de sonho, lindas de morrer no castanho, pois não imaginam meus amigos o tom das árvores no Outono, no campo da feira tem um gosto tão doce, tão belo, tão sui generis, que vos digo é de morrer até aos confins no castanho, no dourado, em milhentas cores, estas que servem naturalmente para pintar uma tela, o artista não tem que ter preocupação de fazer tintas, basta pegar no pincel molhá-lo nas folhas e suas cores e deuses a tela é maravilhosamente bela..

1 comentário:

Osni Can disse...

Gosto quando tu descreves o outono. Gosto quando tu descreve as folhas como acenos do amor que ficou. Isto é tua alma romantica a falar. Abração do Osni. ET. e não esqueças de visitar meu blog que sempre aguarda por tua estimada visita. (http://recantodeprosasdoosni.blogspot.com/)