domingo, 10 de outubro de 2010

saudades de nada


Não posso ter saudades de nada, agora, porque sim,
porque estamos no Outono das folhas douradas,
das folhas preguiçosas que se descolam das árvores,
do inverno que vai entrar, dos natais, passagens de ano.
Dos outonos que põe a pipa a berrar de miau, que põe a guga nostálgica de nada, porque o Outono enche-me a alma,
porque o Outono me faz lembrar o amigo Balança
que não tinha equilíbrio, os outonos das telas, dos jardins,
do jardim velho que antigamente tinha outonos com folhas, milhares de folhas,
agora é novo já não tem Outono.
Desculpem-me, mas não tem Outono.
Antigamente o Outono era mais bonito,
mas o outono continua aqui vivo, com alma, com nostalgia, com carinho.
Continuo a dizer, não tenho saudades de nada,
porque estamos no outono
e o outono enche-me a alma..

1 comentário:

Osni Can disse...

Fios de ouro espalhados
Sobre a bela cabecinha
De cabelos encaracolados
Como grinalda de rainha